Como pouco e não emagreço. Por quê? | JC Online

Como pouco e não emagreço. Por quê?




Muitas pessoas chegam ao consultório com esse questionamento, dizem comer pouquíssimo e mesmo assim ganham ou mantêm o peso. Fugindo do senso comum, o de que essas pessoas estão mentindo, há de se considerar alguns pontos os quais nos levam a crer que: sim, é possível comer pouco e não emagrecer!

Composição das Refeições

Algumas vezes o problema está na composição do prato em cada refeição. Não adianta colocar pouca quantidade se não há qualidade, escolher bem os alimentos é essencial. Evitar alimentos calóricos e gordurosos, montar um prato colorido, composto de grupos alimentares diferentes e em proporção adequada é o primeiro passo.

Pequenas e Grandes Refeições

Comumente associamos refeição a almoço e jantar, mas as pequenas refeições também contam, temos que contabilizar cada lanchinho, cada belisco durante o dia porque, em alguns casos, são eles os vilões da alimentação. E neste ponto, uma dica é fazer um diário ou registro alimentar, onde será anotado tudo, absolutamente tudo, que foi consumido durante o dia sem esquecer-se das respectivas quantidades. Assim, você terá uma boa visão do seu consumo ao longo do dia.

Modo de Preparo dos alimentos

Como você prepara o seu café? Quanto de açúcar ou adoçante você usa? E sua comida? Qual a quantidade de óleo para o preparo do arroz? E o tempero? Qual tipo de tempero você usa? Qual molho você utiliza em sua salada? Esses são questionamentos frequentes feitos aos pacientes, isso porque quando se trata de emagrecimento cada detalhe conta. Montar um prato bonito, colorido, bem fracionado não irá valer de nada se o preparo dos alimentos estiver inadequado.

Liquido Durante as Refeições

Um costume prejudicial é o de beber líquidos durante o almoço ou jantar, isso porque prejudica a digestão dos alimentos e absorção de nutrientes, além de causar o falso efeito de “estar cheio”, logo, passado pouco tempo você estará com fome de novo. Por isso beba meia hora antes ou uma hora depois das refeições, prefira sucos naturais sem açúcar ou água.

Atividade Física

Não dá pra fugir, é importante se exercitar. O emagrecimento é resultado de um balanço energético negativo, ou seja, gastar mais energia do que ganhar. A nossa energia vem da alimentação, seja ela em grande ou pouca quantidade, e o corpo armazena essa energia em forma de gordura. O sedentarismo é seu principal inimigo nessa batalha contra a obesidade.

Estresse e Falta de Sono

Parece bobeira, mas não é, garanto. Passar noites sem dormir ou estar constantemente estressado dificulta o emagrecimento. O metabolismo tende a ficar mais lento e a vontade de comer doces e alimentos gordurosos aumenta. Além disso, o estresse estimula a produção de cortisol no organismo, hormônio responsável por reduzir a perda de peso e ainda ajudar na retenção de líquidos. 

Resistência à Insulina

A insulina controla os níveis de glicose no sangue, sinalizando para a sensação de saciedade, se você sofre constantemente com o “famoso” efeito sanfona pode acabar criando uma resistência a esse hormônio. Isso devido a dietas muito restritivas alternadas com períodos de consumo de alimentos hipercalóricos, desregulando os seus níveis hormonais. E como uma cascata, a resistência insulínica vai refletir em dificuldade na perda de peso e até mesmo em casos de diabetes tipo 2.

IMPORTANTE!

Tenha regularidade na alimentação, estabeleça horários para se alimentar e evite beliscar entre esses horários. Fique ligado na quantidade de sal, de óleo, de açúcar e adoçante nas suas pequenas e grandes refeições. Tenha uma alimentação mais natural possível, produtos industrializados podem conter substâncias que tendem a aumentar seus níveis de estresse. E cuidado redobrado com as oscilações de seus níveis de insulina, ao menor sinal de alteração glicêmica procure um médico.